quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Evaporar

Supostamente fá-la por mim, mas não é o que eu quero. Aliás, não quero seja o que for. Mesmo. Nestes dias preferia evaporar. Permanecer, etéreo, dissolvido por entre as nuvens. Apetece-me deixar tudo em piloto automático, fugir bem para longe, deixar que tudo continue por si. Pena que não seja uma opção. Até porque ninguém é uma rocha, ninguém é uma ilha. E a vida que tenho e à qual teria de regressar seria esta.

Tudo o que fazem por mim, não façam. Não nestes dias, não nestas semanas. Prefiro mil vezes mais que me deixem em paz. Preciso de (outro!) um time out. Já tenho saudades da Holanda, da minha vida solitária, imperfeita mas mais protegida do mundo. Talvez tenha alma de eremita. Desde que me conheço que tento fugir ao mundo. É que este magoa. E por mais que coloque o piloto automático, finja adormecer a alma, suporte tudo com abnegação, seja ao invés pró-activo, me interesse, me desinteresse, me apaixone, me esqueça, me lembre, tente, desista, invista, frequentes rudes golpes puxam-me o ânimo para a sarjeta.

Como não ser desprendido desta vida? Todos os dedos com que a agarro acabam flagelados. O instinto de sobrevivência não cede (aliás, quem mais para guiar o piloto automático?) mas tudo isto que não mata mói. Será crescer, talvez, mas não menos será sofrer. Decerto alguma visão espiritual do mundo explicará tudo isto. Mas por hoje, não quero saber de porquês. Só quero evaporar.

3 comentários:

Momentos disse...

Melhor não evaporar e viver enfrentando os problemas e nós mesmos.

pedropina disse...

evapora, mas volta novamente a solidificar, pk os dias nao sao todos iguais, e vale a pena!

Vítor Mácula disse...

Há dias assim e dias assados, pois; quanto à dor, ao desespero, ao tédio etc, são instrutivos, sim, mas a instrução só chega depois dos primeiros passarem ;) Por si, não valem um boi, carago. Mas isto da vida nos embotar as voltas, só nos chateia porque a própria vida é uma promessa que aparentemente não se cumpre. A compreensão e quiçá superação dessa aparência, é a tal instrução e eventual sabedoria da vida, dos vivos e dos mortos. Uma das perguntas é: como pode algo conter qualquer coisa de maior que si?... Como pode o sem sentido ansear por um sentido?... (Esta última é de certa maneira treta, de certa maneira autêntica LOL) Abraço! PS: por vezes o truque é evaporar-se, mas não totalmente, carago 2! :)